terça-feira, 3 de novembro de 2015

A busca pela identidade




O que é ?
Qual a diferença entre transexualismo de 
transvestismo/travestismo e homossexualidade? 
Qual o diagnóstico? 
Classificado como um transtorno de personalidade, esse distúrbio caracteriza-se pela persistência do indivíduo em se identificar. Neste caso a pessoa nasce com dois gêneros, a masculinidade e à feminilidade, ou melhor, à convicção que cada um tem sobre si de ser masculino ou feminino. Isso se forma muito precocemente, desde a formação do feto no útero da mãe. 
O desenvolvimento desse transtorno é  soma de causas genéticas e hormonais (vão determinar os caracteres físicos do bebê, se vai nascer com características de menino ou menina); da atitude dos pais ao aceitar ou não o sexo do bebê, a forma como esse bebê vai se caracterizar e tratado (Guri ou Guria); da interpretação do bebê a respeito dessas atitudes paternas ;da formação da personalidade (o bebê vai formando uma idéia a respeito de si a partir de sensações que surgem com a manipulação de seu corpo).
Também é importante termos conhecimento do conceito de identidade de gênero nuclear, que significa a convicção de que a designação do sexo da pessoa foi corporalmente e psicologicamente determinada, por exemplo, "tenho corpo de mulher e me sinto mulher". A diferença entre  o transexualismo de  transvestismo/travestismo e homossexualidade. 
No transvestismo a pessoa não sente que sua identidade de gênero está trocada (por exemplo, homem com corpo de homem sentindo-se homem), mas usa roupas do sexo oposto com objetivo de ter prazer erótico, para se excitar.
Apenas em casos em que a pessoa passa a se vestir como mulher a maior parte do tempo e ter dúvidas e sofrimento em relação a sua identidade de gênero é que se deve pensar que possa haver transexualismo latente. Já no homossexualismo, a pessoa também se sente adequada quanto à determinação de seu sexo (tem corpo de homem, sente-se homem), porém tem atração afetiva e erótica por outra pessoa do mesmo sexo que ela.
Em geral, psiquiatras ou psicólogos fazem esse diagnóstico, através de várias conversas com o paciente, para determinar corretamente os sentimentos dele.  
Como dizia Caio Fernando de Abreu, “Só que homossexualidade não existe, nunca existiu. Existe sexualidade - voltada para um objeto qualquer de desejo. Que pode ou não ter genitália igual, e isso é detalhe. Mas não determina maior ou menor grau de moral ou integridade.” Uns dizem que aceitam, outros dizem que aceitam mais acham errado. 
Não iremos mudar o a forma da sociedade pensar e aceitar a homossexualidade da noite para o dia, sendo pecado ou não a verdade é que devemos aceitar que o amor é puro e verdadeiro e rompe as barreiras da razão e que é inexplicável.  Independente da escolha
sexual de cada um, devemos respeitar o direito das pessoas buscarem sua felicidade. Não julgue alguém pela sua genitália, e sim pelas atitudes.

Fonte: 



Bianca da Rosa de Souza, Adriana Stürmer, Brenda Piccoli

Nenhum comentário:

Postar um comentário